<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=690458111055947&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Cursos GRATUITOS sobre investimentos:

New Call-to-action

Blog

Saiba como abrir uma empresa e lançar ações na bolsa

como-criar-uma_empresa-lancar-acoes-na-bolsa

O parceiro convidado do Toro Radar, blog Saia do Lugar, produziu conteúdo para quem quer se tornar um empresário e sonha em ter um negócio bem sucedido. Confira as dicas para criar e vender ações da sua empresa.

Um empreendedor que decide abrir uma empresa tem a possibilidade de abrir capital, ou seja, negociar ações na Bolsa de Valores. Essa é uma estratégia voltada para a captação de recursos financeiros, que vão permitir a expansão do negócio.

Mas como criar uma empresa e lançar ações na Bolsa? E em quais casos vale a pena adotar tomar essa atitude? Entenda melhor a seguir e veja as dicas que preparamos para você.

Como criar uma empresa?

O primeiro passo para empreender é ter o desejo de ser dono do seu próprio negócio.

Com uma ideia em mente, você já deve ter feito uma análise de mercado e pesquisas que indicam se o empreendimento tem potencial. Mas o que mais é preciso fazer?

Primeiramente, é preciso conhecer o seu perfil de empreendedor, descobrindo suas potencialidades, habilidades e motivações.

Em seguida é necessário ter paciência, porque o processo de abertura de uma empresa é demorado e, muitas vezes, exige várias idas e vindas aos órgãos públicos.

Veja, então, o que é necessário para criar sua empresa.

Pesquise possíveis nomes e endereços

Antes de abrir uma empresa é preciso verificar na Junta Comercial do município se o nome eleito é viável. Também é recomendado fazer uma consulta do endereço diretamente na Prefeitura.

Essa análise indicará se o endereço escolhido pode ser utilizado para fins comerciais, especialmente para a atividade econômica que você pretende seguir.

Busque um contador e um advogado de confiança

O processo de criação de uma empresa envolve diversas etapas e documentos.

Contar com a ajuda de profissionais especializados diminui a possibilidade de erros e retrabalho. Por isso, você deve buscar um contador e um advogado de sua confiança.

O contador será responsável por indicar o melhor regime tributário, além de poder indicar o passo a passo mais adequado para a formalização do seu negócio.

Já o advogado poderá auxiliar com a documentação, reunindo os papéis necessários e verificando se eles estão seguindo a legislação vigente.

Elabore o contrato social e registre na Junta Comercial

O contrato social especifica como a sociedade será formada, apresentando informações a respeito do objetivo do negócio, de seu ramo de atuação, dos demais aspectos relativos à criação da empresa e à sociedade propriamente dita.

A elaboração do contrato social deve ser feita junto a um advogado.

Depois de sua preparação, este documento deve ser enviado à Junta Comercial. Além disso, outros documentos devem ser encaminhados:

  • Cópias autenticadas de RG e CPF;
  • Ficha do Cadastro Nacional (FCN);
  • Requerimento padrão (obtido diretamente na Junta Comercial);
  • Pagamento de taxas por meio do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF).

Obtenha o CNPJ

Com a entrega da documentação listada na etapa anterior, chega o momento de adquirir o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

Isso é feito por meio do Número de Identificação de Registro de Empresa (NIRE), fornecido na Junta Comercial ao entregar os documentos.

O CNPJ pode ser conseguido de forma online, diretamente através do site da Receita Federal. O processo é simples e rápido e basta acompanhá-lo para ver quando o número é emitido.

Solicite os alvarás na Prefeitura

O CNPJ é o número que identifica a sua empresa. Com ele, você pode pedir a emissão dos alvarás necessários para o negócio. Para isso, é preciso ter os seguintes documentos:

  • Formulário da Prefeitura;
  • Consulta de endereço (análise de viabilidade);
  • Cópia do certificado de emissão de CNPJ;
  • Cópia do contrato social;

Laudo das vistorias, como o alvará do Corpo de Bombeiros Militar (que pode ser solicitado diretamente no site da corporação).

Faça a inscrição estadual na Secretaria da Fazenda

Esta etapa é necessária para fazer o registro no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e exige uma série de outros documentos. Veja quais são:

  • Documento Único de Cadastro (DUC), obtido diretamente na Secretaria da Fazenda;
  • Documento Complementar de Cadastro (DCC), também conseguido na Secretaria;
  • Comprovante de endereço de todos os sócios;
  • Contrato de locação ou escritura do imóvel em que o negócio será localizado;
  • Número do cadastro fiscal do contador responsável;
  • Comprovante de registro como contribuinte do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Este documento é exigido somente para empresas prestadoras de serviços;
  • Certidão simplificada da Junta Comercial, somente para empresas que estejam constituídas por período maior que três meses;
  • Ato constitutivo;
  • Cópia de CNPJ e alvará de funcionamento;
  • RG e CPF dos sócios.

Esse processo dependerá do estado em que a empresa está constituída, mas em algumas unidades da federação é possível fazer via online.

Faça seu registro na Previdência Social

A última etapa é o registro na Previdência Social.

Essa fase é obrigatória independentemente de a empresa ter funcionários, já que sua finalidade é o pagamento de tributos.

Por isso, após o início das atividades da empresa, o registro na Previdência deve ser solicitado em, no máximo, 30 dias.

Como lançar ações na Bolsa?

Depois de criar e formalizar a sua empresa, você pode começar a pensar em lançar as ações do seu negócio na Bolsa de Valores. No entanto, esse processo não é imediato.

Após a abertura da empresa, é preciso aguardar um período para que haja uma consolidação e estabilização da gestão, fazendo com que a empresa seja reconhecida positivamente pelo público e pelo Mercado Financeiro.

É importante analisar diversos fatores que, quando combinados, indicam que a empresa está pronta para abrir capital.

Alguns desses fatores são: boa gestão do negócio, consolidação da marca, administração transparente e boa aceitação perante os consumidores.

Além disso, o Mercado de Ações é bastante exigente. Por isso, o empreendedor precisa ter objetivos e plano de negócios bastante claros.

Se você analisou todos os fatores e chegou à conclusão de que a melhor alternativa é abrir capital, algumas etapas devem ser seguidas. Veja quais são elas:

Prepare a abertura do capital

O processo de abertura do capital precisa ser preparado pela empresa, já que, entre outras questões, pode influenciar a maneira de gerenciar o negócio.

Nesse momento, as tomadas de decisão passam a ser feitas junto com o Conselho de Administração e algumas informações sigilosas precisam ser divulgadas.

Monte um time especializado

Para abrir capital a empresa precisa ter uma equipe especializada e preparada para esse processo.

O ideal é aliar competências de colaboradores internos e pessoas externas, que tenham experiência em capital aberto.

É importante ter um bom relacionamento com os investidores e transparência nos processos.

Encontre a melhor oportunidade

No Mercado Financeiro, existe a chamada "janela de oportunidade", que consiste no momento em que os investidores estão mais aptos a apostar em ativos de maior risco.

Por isso, é importante reconhecer esse período para fazer a oferta inicial.

Além disso, nesse período deve-se fazer o registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o Mercado de Ações, indicando que é uma companhia aberta.

Também é necessário solicitar a listagem de ações na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&F Bovespa).

É importante ressaltar que, a partir da solicitação da listagem, a empresa pode aguardar até sete anos para fazer o lançamento das ações na bolsa.

Faça a abertura de capital propriamente dita

A abertura de capital é tecnicamente chamada de Initial Public Offering (IPO, ou seja, Oferta Pública Inicial). Este momento marca a primeira oferta de ações por parte da empresa na Bolsa de Valores.

Mas quais são as vantagens do IPO?

  • Lucro para os proprietários: os proprietários vendem boa parte das ações e recebem o dinheiro relativo à venda, ganhando milhões em apenas um dia;

  • Atração de bons profissionais: uma estratégia utilizada pelas empresas é oferecer ações como forma de reter talentos. Assim, o funcionário ou o gestor recebe ações de acordo com o tempo que ficar na empresa.

Por outro lado, existem desvantagens ao fazer a oferta inicial:

  • Processo burocrático e caro: nesse processo, a empresa precisa contar com a ajuda de um banco de investimentos a fim de lidar com a complexidade da IPO;

  • Proprietários sem poder de decisão sobre a IPO: não há garantias de que os proprietários ficarão de fato com a remuneração da venda. Em alguns casos, eles são obrigados a reinvestir o valor na empresa ou são impedidos de vender as ações, a fim de não causar desconfiança no mercado, o que reduziria o preço por ação;

  • Proprietários sem controle sobre a empresa: em alguns casos, a abertura de capital implica na perda de controle da empresa por parte dos proprietários;

  • Negócio sem sigilos: a fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e outros procedimentos próprios do Mercado de Ações faz com que a empresa que faz o lançamento de ações na bolsa não possa ter sigilos.

Mesmo com as desvantagens, o processo do IPO é necessário para que a empresa possa abrir capital.

O processo de criar uma empresa e ofertar ações na bolsa é complexo, mas vale a pena. Essa é uma forma de mostrar que a empresa está consolidada, obtendo capital para investimentos no negócio.

Agora que você já sabe como criar uma empresa e lançar ações na Bolsa de Valores, aprenda como administrar seu dinheiro com nossas dicas!

Não perca as melhores oportunidades que as grandes empresas oferecem.
Saiba como investir na Bolsa de Valores com nossos cursos gratuitos!

Aprenda a investir na Bolsa de Valores