Cursos GRATUITOS sobre investimentos:

New Call-to-action

Blog

Forjas Taurus: ainda vale comprar suas ações?

Nos últimos dias, a empresa Forjas Taurus (FJTA4 e FJTA3) chamou a atenção de diversos investidores e analistas. Após alcançar uma forte valorização no preço de ambas ações, tanto a ordinária quanto a preferencial.

forjas-taurus-analise-fjta4

O que assistimos foi um efeito especulativo de investidores que acreditam num resultado positivo para o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, no segundo turno das eleições. Esse desfecho político poderia favorecer a empresa de segurança, uma vez que o candidato repetiu inúmeras vezes em sua campanha sobre a revogação do estatuto do desarmamento.

A revogação da decisão reafirmada no referendo de 2005, poderia acarretar numa maior demanda dos produtos da Forjas Taurus - FJTA4 e, consequentemente, valorizar a empresa no mercado. Entretanto, após análise, essa realidade parece não ser a mais provável de se concretizar. 

Forjas Taurus vai subir ou vai cair?
Acesse análise grátis

Forjas Taurus se beneficiará se Bolsonaro vencer?

Este panorama esperado que gerou essa grande valorização das ações da Forjas Taurus, para a equipe de análise do Toro Radar, não é coerente. Nossos profissionais visualizam e ponderam outras questões que pode, inclusive, tornar essa oportunidade extremamente prejudicial para o seu capital.

Abaixo listamos três pontos que fundamentam nossa opinião em relação ao futuro das ações das Forjas Taurus na Bolsa de Valores. Veja:

1. Possível abertura do mercado de armas

O primeiro ponto que pode acabar com a valorização da FJTA4 vem de um pronunciamento do próprio candidato. Segundo o presidenciável do PSL, há uma chance de abertura dos mercados da indústria de armamento.

A chegada de empresas estrangeiras nesse mercado e possibilidade da importação de armas para órgãos de segurança pública, aumentaria a concorrência para a Forja Taurus, que hoje vive com um monopólio do setor. Essa concorrência impactaria diretamente nos resultados da empresa, fazendo com que seu dinheiro investido nela fique em jogo.

2. Qualidade dos produtos da Forjas Taurus

Outro ponto que pode atrapalhar a empresa num cenário de abertura de mercado é a qualidade dos produtos oferecidos por ela. Profissionais afirmam que as armas produzidas pela Forjas Taurus são inferiores ao se comparadas à semelhantes estrangeiras.

Além disso, não há muito tempo houve casos de acidentes de disparo com armas da Taurus o que contribui para a criação dessa reputação negativa. Será mesmo que ela conseguiria competir com empresas maiores?

3. Análise fundamentalista da Forjas Taurus

Voltando a atenção para o presente, o momento da Taurus não está também favorável à sua valorização. Com ou sem Bolsonaro no Planalto, a empresa não consegue fechar seu balanço no positivo há cinco anos.

No curto prazo, vemos a empresa queimando seu caixa, que já está praticamente zerado, e aumentando sua dívida. Para esclarecer ainda mais a posição financeira da empresa, analisamos os resultados referentes ao segundo trimestre de 2018.

Forjas Taurus: Análise dos Resultados do 2º Trimestre de 2018

Antes de começar, vale lembrar que, pela decisão da empresa em vender a operação de capacetes, desde o primeiro trimestre de 2018, os números dessa atividade passaram a fazer parte da chamada linha de operações descontinuadas, saindo das informações financeiras contidas nesse resultado.

No segundo trimestre deste ano, a receita líquida consolidada da Forjas Taurus atingiu a marca de R$ 200,2 milhões, o que representa um crescimento de 26,6% comparado ao mesmo período de 2017. Esse movimento foi motivado, principalmente, pelas suas operações no mercado estrangeiro. Isto é, suas operações além fronteira foram positivamente impactadas pela forte alta do dólar que vivemos em 2018.

O EBITIDA foi outro ponto que nos chamou a atenção. No segundo trimestre deste ano, esse indicador registrou R$35,9 milhões, acumulando um valor de R$73,1 milhões nos seis primeiros meses do 2018. A margem EBITDA foi de 17,9% no segundo trimestre, o que representa um crescimento de 1,8% comparado ao primeiro trimestre.

O que mais o balanço nos mostra?

>Mesmo com uma primeira impressão positiva gerada pelo aumento do EBITDA, o resultado consolidado no 2º trimestre registrou um prejuízo de R$ 91,0 milhões contra um lucro de R$ 1,0 milhão no trimestre anterior em 2018.

Neste período, a empresa registrou um endividamento bruto de R$ 815,5 milhões, o que é 11,0% maior no comparativo anual. Esse número representa um crescimento de 15,6% comparado a março 2018.

Outro ponto importante é referente as reservas da empresa. Nesse resultado, foi possível identificar através das seções "disponibilidades e aplicações financeiras". Ambas somaram um valor de R$9,8 milhões em junho de 2018, o que representa uma diminuição de 38,45% no ano.

Frente aos dados expostos acima, e de outras análises, acreditamos que as últimas valorizações da cotação de suas ações é consequência de um movimento conhecido como "efeito manada", isto é, meramente um momento especulativo.

No atual patamar de preço, a nossa equipe não enxerga boa oportunidade no longo prazo. A empresa passa por um momento financeiramente difíceis e necessita se reinventar para seguir na sua trajetória no Brasil. Dessa forma, na nossa visão, a tendência para as ações de Forja Taurus (FJTA4 e FJTA3) é de baixa no longo prazo. Quer saber o que estamos recomendando?

Invista nas melhores oportunidades da Bolsa com um clique. Veja agora

Receba atualizações

E-book Guia completo do Investidor Iniciante

Últimos artigos

New Call-to-action