Aprenda tudo sobre o mercado de ações

 

Análise Fundamentalista: O Balanço Patrimonial

Os investidores muitas vezes ignoram o balanço patrimonial porque os ativos e passivos não são tão atraentes como as receitas e os lucros. Apesar dos lucros serem importantes, eles não contam toda a história.

O balanço patrimonial evidencia a situação financeira de uma empresa e é parte integrante das demonstrações financeiras.

Um Diagnóstico de Saúde

O balanço patrimonial, também conhecido como a declaração da situação financeira, oferece uma visão da saúde econômica de uma empresa, pois mostra o quanto ela possui (seus ativos) e o quanto deve (seus passivos). A diferença entre o que possui e o que deve é o patrimônio líquido, também comumente chamado de "ativos líquidos".

O balanço patrimonial indica aos investidores os fundamentos da empresa: o quanto de dívida tem, o quanto precisa cobrar dos clientes (e quão rápido faz isso), o quanto de caixa ou equivalentes de caixa possui e o quanto de recursos tem gerado ao longo do tempo.

Três princípios do Balanço Patrimonial

Ativos, passivos e patrimônio líquido são os três principais componentes do balanço. Analisados com cuidado, eles podem dizer aos investidores muito sobre os fundamentos de uma empresa.

1) Ativos

Existem dois tipos principais de ativos:

  • ativo circulante;
  • ativo não circulante.

Ativos circulantes são suscetíveis para serem usados ou convertidos em dinheiro dentro de um ciclo de negócios - geralmente de doze meses. Três itens muito importantes do ativo circulante são encontrados no balanço:

  • caixa;
  • estoques;
  • contas a receber.

Os investidores normalmente são atraídos por empresas com muito dinheiro em seus balanços. Afinal de contas, dinheiro oferece proteção contra tempos difíceis e, também, dá às empresas mais opções para o crescimento futuro.

Dessa forma, crescentes reservas de caixa muitas vezes sinalizam ótima performance empresarial. Na verdade, isso sinaliza dinheiro se acumulando tão rapidamente que a administração não tem tempo para descobrir como o usar. Por outro lado, uma pilha de numerário cada vez menor pode ser um sinal de problemas.

Dito isto, se um caixa volumoso é mais ou menos uma característica permanente do balanço de uma empresa, os investidores precisam se perguntar o porquê ele não está girando, pois um caixa muito grande poderia significar que a administração não encontra mais oportunidades de investimento ou está muito míope para saber o que fazer com o dinheiro.

Estoques são produtos acabados não vendidos. Como investidor, você quer saber se uma empresa tem muito dinheiro imobilizado em estoques, pois as empresas têm recursos limitados para investir nos estoques. Assim, para gerar dinheiro para pagar as contas e ter lucro, elas devem vender as mercadorias que compraram dos fornecedores.

O giro de estoques (custo dos produtos vendidos, dividido pelo estoque médio) mede o quão rapidamente a empresa está movimentando mercadorias estocadas até os clientes. Se o estoque cresce mais rápido do que as vendas, é quase sempre um sinal de deterioração da saúde financeira.

Recebíveis (contas não cobradas) são excelentes indicadores, já que, analisando a velocidade com que uma empresa recolhe seus créditos, pode-se saber muito sobre sua eficiência financeira.

Se o índice diminui cada vez mais, isso pode significar problemas à frente, como, por exemplo, se a empresa aplica uma política creditícia liberal com os clientes para aumentar as vendas, como consequência há maior risco de inadimplência em caso de crise de liquidez.

Lembre-se, pagamentos à vista são preferíveis que a prazo, uma vez que uma dívida pode nunca ser paga. Portanto, quanto mais rápido uma empresa obtém pagamentos de seus clientes, mais cedo ela tem dinheiro para pagar salários, mercadorias, equipamentos, empréstimos, e, o melhor de tudo, dividendos. Além disso, ela pode aproveitar oportunidades de crescimento no mercado.

Ativos não circulantes são tudo aquilo não classificado como ativo circulante, como ativos fixos, imóveis, instalações e equipamentos. Caso a empresa não esteja em dificuldades financeiras ou liquidando ativos, os investidores não precisarão prestar muita atenção aos ativos imobilizados, pois, muitas vezes, ela é incapaz de vender os seus ativos fixos dentro de um prazo razoável, portanto tais ativos são contabilizados no balanço patrimonial como custo, independentemente do seu valor real.

Assim, é possível as empresas inflarem grosseiramente este número com cifras duvidosas nas quais não podemos confiar.

2) Passivos

Há passivos circulantes e não circulantes. O primeiro são obrigações com prazo de pagamento de até um ano, como as obrigações com fornecedores. O segundo são obrigações com prazo de pagamento superior a uma ano. Normalmente, o passivo não circulante representa dívida de empréstimos e obrigações creditícias.

Geralmente você deseja uma quantidade administrável de dívidas. Quando os níveis de endividamento estão caindo, é um bom sinal. De um modo geral, se uma empresa tem mais ativos do que passivos, então ela está em boa condição financeira. Por outro lado, se uma empresa tem uma grande quantidade de passivos em relação aos ativos, ela deve ser examinada com mais cuidado. Assim, ter muita dívida em relação aos fluxos de caixa necessários para pagar juros e amortizações é um sinal de possível falência.

Veja o Índice de Liquidez Seca (ILS): subtraia o estoque do ativo circulante e depois divida pelo passivo circulante. Se a relação é de 1 ou mais, o índice indica que a empresa tem ativos em dinheiro e liquidez suficientes para cobrir suas obrigações de dívida de curto prazo.

ILS = (Ativo Circulante - Estoques) / Passivo Circulante

3) Patrimônio Líquido (PL)

PL representa os capitais próprios, muitas vezes chamado de ações, em posse dos acionistas. Conforme a equação abaixo, o patrimônio líquido é igual ao total de ativos menos o total de passivos.

Patrimônio Líquido = Ativo Total - Passivo Total

Os dois itens importantes do Patrimônio Líquido são:

  • capital integralizado;
  • lucros retidos.

O capital integralizado é a quantidade de dinheiro que os acionistas pagaram pelas ações quando elas foram oferecidas pela primeira vez ao público. É, basicamente, a quantidade de dinheiro que a empresa recebeu quando vendeu suas ações.

Por outro lado, os lucros retidos são o dinheiro que a empresa optou por reinvestir no negócio, em vez de pagar aos acionistas. Assim, os investidores devem olhar de perto como uma empresa os alocam e como uma empresa os rentabilizam.

A maioria das informações sobre dívidas pode ser encontrada no balanço, mas alguns ativos e passivos não são revelados lá. Para começar, as empresas muitas vezes possuem ativos intangíveis de difícil mensuração, como propriedade intelectual (patentes, marcas registradas, direitos autorais e metodologias de negócios), motivação dos trabalhadores e reconhecimento de marca. Eles são todos bens valorizados no mercado de hoje, porém não estão listados nos balanços.

Há também dívidas ocultadas do balanço, nas quais deve-se tomar cuidado. Por exemplo, usando de financiamento, as grandes despesas de capital são mantidos fora do balanço patrimonial através de vários métodos de classificação. As empresas, muitas vezes, usam financiamento para manter os níveis de dívida baixos.

New Call-to-action
New Call-to-action

Cursos GRATUITOS sobre investimentos:

New Call-to-action