Investidores inteligentes investem com Toro Radar.
Navegue pelos capítulos
Curso de investimentos grátis

Melhores Investimentos Financeiros
para 2018

Descubra quais são as melhores oportunidades para 2018
e saiba exatamente onde investir

  • 6 capítulos

Curso Grátis: Como investir na Bolsa de Valores

Aprenda tudo sobre a Bolsa de Valores, como identificar as melhores oportunidades e as técnicas certas para investir em ações

Ao final de 2016, existiam grandes expectativas de que o próximo ano traria boas oportunidades no mercado financeiro e marcaria o início de uma retomada econômica para o país.

De fato, o ano de 2017 confirmou diversas posições colocadas por analistas do Toro Radar e ofereceu excelentes oportunidades de investimento.

Para 2018, as expectativas são diferentes. Ao contrário do período anterior, seu início não está ligado a uma forte recessão, mas sim a momentos de recuperação. Saber como investir nesse momento possibilitará resultados positivos neste período.

Entretanto, o ano à nossa frente também pode guardar surpresas. As eleições que acontecerão em outubro, por exemplo, provavelmente trarão volatilidade e cenários de incerteza.

Eleições 2018 | Os anos eleitorais são conhecidos por gerar alta volatilidade no mercado financeiro.

No entanto, quem souber aproveitar as oportunidades poderá conquistar resultados ainda maiores que os obtidos em 2017.

Mesmo que as incertezas políticas e econômicas continuem em pauta, o aquecimento tímido do mercado te colocarão perto dos melhores investimentos de 2018.

Seria errado afirmar que determinado ativo é o único caminho para aplicar seu dinheiro neste novo ano. As pessoas que estão neste mercado têm perfis diferentes e, portanto, exigem aplicações diferentes.

Por isso, não se preocupe. Neste material, abordaremos diversas formas de fazer seu capital render nesse período. Te mostraremos as melhores opções de investimento de diferentes categorias, sejam elas de renda fixa ou de variável.

Vamos lá?

Invista ao lado de grandes profissionais

Acesse nossas recomendações e aproveite o melhor de 2018

Capítulo 1

Investir na Renda Variável

Melhores investimentos em 2018
na Renda Variável

A Bolsa de Valores em 2017 confirmou o esperado: muitas pessoas fizeram investimentos com ótimos ganhos. Mesmo com a manutenção de cenários desafiadores na política e na economia, isso não foi o suficiente para afastar o mercado financeiro de resultados significativos.

Neste ano, o Ibovespa, isto é, o índice mais importante do nosso mercado de capitais, conquistou patamares históricos. As novas pontuações do Ibov encheram os investidores de otimismo e esperança.

Claramente, nem tudo foram flores. Momentos difíceis aconteceram e acabaram afastando quem tem pouca tolerância ao risco. Mas é preciso ver o cenário como um todo para entender o que mercado foi capaz de entregar:

Gráfico Ibovespa 2017 | O ano de 2017 acumulou altas impressionantes, mesmo com o movimento contrário após os topos.

Tenha acesso aos gráficos em tempo real

Saiba a hora certa de comprar e vender ações



Panorama da Bolsa de Valores em 2017


Desde janeiro, a Bolsa de Valores conquistou altas, mesmo com a resistência do mercado em diversos momentos. Períodos de estabilidade política e a possibilidade de implantação de reformas estruturais impulsionaram avanços, enquanto escândalos e pouca governabilidade resultaram em reações contrárias.

O exemplo mais claro desse movimento ocorreu em maio de 2017. Na segunda quinzena do mês, áudios envolvendo o presidente Michel Temer foram divulgados após a delação premiada dos irmãos Batista - responsáveis pelo grupo J&S.

Nos áudios, o presidente deixava a entender que havia “zerado as pendências” com o ex-deputado federal Eduardo Cunha. Essa possibilidade assustou o mercado e fez a Bolsa recuar mais de dez pontos percentuais, acionando um mecanismo de defesa conhecido como Circuit Breaker.

Ibovespa - Maio de 2017 | Antes de maio, último circuit breaker foi acionado durante crise do subprime em 2008.

Mesmo em meses como esses, nossa equipe de análise foi capaz de identificar ótimas oportunidades de Day Trade. A alta volatilidade causada pelos escândalos políticos resultou em operações extremamente lucrativas para quem soube aproveitar o momento.

Aproveite o melhor da Bolsa em 2018

Fique de olho em nossas recomendações de investimento

No segundo semestre do ano, o cenário foi outro. Seguidas valorizações fizeram com que o Ibovespa conquistasse patamares nunca antes alcançados. Em outubro, os recordes batidos pelo índice causaram otimismo e euforia no mercado:

Gráfico Ibovespa - Segundo semestre | O segundo semestre ficou marcado por uma sequência de altas do índice.

Por mais que, no fim do ano, o índice tenha apresentado quedas, elas foram esperadas por analistas. É comum que após altas tão significativas, investidores realizem parte do lucro já conquistado.

Como previsto por nossos analistas, os setores que mais entregaram resultados aos investidores em 2017 foram o bancário, o de infraestrutura e o de varejo e consumo. Empresas que se encontram nessas áreas se beneficiaram fortemente com a retomada econômica.

Aproveite as oportunidades certas em 2018

Invista ao lado de grandes profissionais do mercado



Expectativas para a Bolsa de Valores em 2018


Sem dúvidas a Bolsa, em 2018, já ofereceu excelente oportunidades de lucro a milhares de investidores. O mês de janeiro foi marcado com uma das maiores altas dos últimos anos, quando fazemos um comparativo mensal.

Entretanto, vamos nos aproximando do meio do ano e já percebemos que o Ibovespa desacelerou. Por diversos motivos, é esperado para o mercado, no curto prazo, uma tendência de baixa - que acabou já retornando para os patamares vistos no início do ano.

A principal explicação é a incerteza política: com a proximidade das eleições, o mercado não tem um candidato que seja preferência ou que esteja levando vantagem nas pesquisas. Além disso, uma pequena frustração gerada pelos fracos índices de crescimento da economia deixou os investidores receosos para novas altas, frente a um 2017 de tendência de alta clara. Quando isso acontece é normal um movimento de queda mais forte.

Renda variável em 2018:
expectativas para o mercado

O final do primeiro semestre foi marcado por baixas que assustaram diversos investidores. A alta do dólar frente ao real, a incerteza política e as crises internas foram responsáveis por resultados mais fracos nos últimos dias

Dessa forma, para se posicionar neste cenário, é importante identificar empresas com baixa corelação com o Ibovespa e organizações que se beneficiem com a valorização da moeda americada e com o desenvolvimento do mercado externo.

Abaixo estão três setores que podem trazer bons resultados em tempos como esses. Confira:

Setor de Super e Hipermercados


Impactadas negativamente pela baixa dos preços, as empresas desse setor tiveram seus resultados prejudicados quando a inflação desceu o degrau. Entretanto, com as perspectivas de alta desse indicador, essas organizações voltam a conquistar números interessantes.

Assim, vale colocar empresas pertencentes desse setor no radar. Ações de super e hipermercado tendem a trazer bons resultados para a segunda metade desse ano. Entre elas estão:

  • Carrefour (CRFB3)
  • Pão de Açúcar (PCAR4)

Atenção para siderúrgicas


O crescimento do PIB desse setor anda chamando mais atenção do que o indicador referente ao setor de serviços. Como o crescimento da produção industrial continua elevada para 2019, empresas siderúrgicas podem se beneficiar desse cenário.

Além desse ponto, esse grupo de empresa é diretamente e positivamente impactado pelo aquecimento do mercado externo. Com a alta do dólar, casado ao aumento das exportações, essas empresas podem conquistar resultados bem interessantes e entrar para o grupo de melhores investimentos de 2018.

Algumas ações desse grupo são:

  • Usiminas (USIM5)
  • Gerdau (GGBR4)

Setor da Celulose


Como a demanda por produtos das empresas desse setor é constante tanto no nosso mercado quanto no mercado externo, esse grupo se mantém estável mesmo em cenários de queda generalizada. Essas organizações se beneficia da alta do dólar por ter boa parte da produção destinada para fora.

Além disso, as empresas desse setor possuem baixa correlação com o Ibovespa, o que explica essa estabilidade em cenários turbulentos. Não perca de vista essas ações:

  • Suzano (SUZB3)
  • Fibria (FIBR3)

Bônus: de olho na Petrobras


Não seria possível encerrar o capítulo sobre o Mercado de Ações e não tocar neste assunto. Sempre nos jornais e noticiários, os ativos da Petrobras (PETR4) não saem também do radar de investidores e analistas.

Em junho de 2018, foi recomendado que as posições que envolviam os ativos da petroleira fossem encerradas. A forte alta do início deste ano já entregava uma rentabilidade acima de 85% desde o momento em que nossos analistas recomendaram a inclusão dessas ações na carteira.

Bônus Petrobras | A grande paralização gerou forte impacto na companhia

Entenda a crise dos caminhoneiros e seu impacto na Petrobras


A política de preços da companhia, juntamente com a alta do petróleo e do dólar no mercado internacional, acarretou uma elevação no preços dos combustíveis. Essa alta no preços, que já elevados pela carga tributária incidente nessa categoria, causou um cenário de insatisfação generalizada, provocando a paralisação dos meios de transportes no país.

A greve dos caminhoneiros provocou, recentemente, uma intervenção política na estatal. Esta ação causou a saída do presidente da Petrobras, Pedro Parente.

O governo demorou para tratar com seriedade a crise e o desgaste na imagem da Petrobrás, o que gerou um movimento de venda nas ações da estatal. Essa força vendedora provocou, por sua vez, quedas superiores a 40% até o mês de junho.

Monte a sua estratégia de investimento

Converse com os analistas do Toro Radar

Renda variável em 2018: Fundos de Investimento Imobiliários

Outra forma de aproveitar o mercado de renda variável em 2018 são os Fundos de Investimento Imobiliário (FII) . Por mais que muitas pessoas ainda acreditem que a melhor forma de investir no mercado de imóveis é, de fato, comprando um imóvel, analistas apontam que a negociação desse tipo de título possui muito mais vantagens.

Devido à praticidade, rentabilidade e liquidez, a compra de FIIs nesse momento atrai cada vez mais investidores. Alguns pontos que reforçam esse movimento são:

  • A manutenção da Selic em baixos patamares, o que gera uma correção forte nos preços dos fundos.

  • O aumento do Índice de Confiança do Consumidor, que aquece esse mercado.

  • O baixo preço do metro quadrado, que atrai novos investidores.

Esse tipo de investimento é interessante caso você deseje ter uma maior diversificação em sua carteira. Esses são alguns dos fundos que estão sob nosso radar:

  • AEFI11

  • BBPO11

  • BCFF11

  • BRCR11

  • KNRI11

  • XPCM11

  • VRTA11

  • FEXC11

Recomendamos que fique de olho nessa modalidade de investimento. Afinal, a recuperação econômica no país costuma estar ligada ao crescimento do mercado imobiliário.

Fundos de Investimento

A trajetória de queda da Selic, taxa básica de juros da economia brasileira, de 14,25% ao ano para 6,50%, levou muitos investidores a optarem por aplicações de maior risco para conseguirem retornos superiores à Renda Fixa tradicional.

Nesse sentido, os fundos multimercados podem ser uma opção que atende bem essa necessidade, já que permitem ao investidor com um apetite maior ao risco e com pouco capital inicial, investir em uma carteira diversificada em Renda Fixa, ações, moedas, commodities e operações estruturadas, geridas por um gestor qualificado.

A indústria de Fundos de Investimento está mais aberta e agora todos os perfis de investidores têm acesso a diversas possibilidades de investir em fundos. Dessa maneira, é possível que tanto quem está começando quanto quem já possui capital mais robusto tenham como opções de investimentos portfólios mais estruturados.

Descubra o que os analistas estão dizendo

Converse com grandes profissionais sobres esses títulos

Capítulo 2

Investir na Renda Fixa

Melhor Investimento em 2018
na Renda Fixa

Como em qualquer ano, títulos de investimento em Renda Fixa continuam fazendo parte da carteira de milhares de investidores. Esse tipo de aplicação permanecerá como alternativa poderosa de desenvolvimento de capital em 2018.

Com relação a essa modalidade, já acertamos em cheio ao recomendar maiores exposições aos papéis prefixados quando a taxa de juros estava em 14%. Hoje ela está em 7% e ainda pode ter quedas no ano seguinte.

Ebook Análise Técnica

Invista de forma
inteligente em 2018

Descubra 13 investimentos melhores
que a poupança

Por dentro da Renda Fixa:
em que investir em 2018?

Nesta parte do material, passaremos brevemente por diferentes tipos de títulos dessa modalidade. Acreditamos que alguns deles estarão no grupo dos melhores investimentos de Renda Fixa para 2018.

Antes de entrar a fundo em cada um dos títulos, é importante lembrar que a grande maioria desses papéis estão atrelados a três indicadores: ao CDI, à Selic e à inflação.

Essas três métricas econômicas sofreram quedas em 2017. No caso da inflação, houve desaceleração. Com isso, parte da rentabilidade da maioria dos títulos de Renda Fixa foi reduzida.

Entenda esse movimento:

1. Taxa Selic: os 12 cortes consecutivos da taxa de juros básica da economia brasileira alterou significativamente o rendimento de diversos títulos.

ZSELIC, 1D

Em 2012, o Banco Central estabeleceu um gatilho que determinou que quando a taxa estivesse igual ou menor que 8,5% ao ano, a poupança deixaria de render 0,5% + Taxa Referencial e passaria a entregar 70% da Selic + TR.

Dessa forma, quando a Selic chegou a 6,50% em março de 2018 ocorreu essa mudança, reduzindo ainda mais o rendimento poupança. Em decorrência disso e de outros fatores, muitos poupadores optaram por retirar seu dinheiro da caderneta e aplicá-lo em títulos mais rentáveis.

2. Inflação: uma das diretrizes de atuação da equipe econômica de Henrique Meirelles, Ministro da Fazenda, em 2017 foi o controle da inflação. Comparando ao ano anterior, fica evidente a diferença:

Inflação 2016 x 2017

3. CDI: a taxa utilizada nos Certificados de Depósito Interbancários serve de parâmetro para grande parte dos títulos de Renda Fixa existentes. Normalmente, essa taxa acompanha os movimentos da Selic. Dessa forma, em 2017, ela também foi consecutivamente reduzida:

ZCETIP, 1D

Por esse motivo, a rentabilidade geral de alguns títulos está menor do que em períodos anteriores. Entretanto, por mais que estejam entregando menos que no passado, eles continuam se mostrando como um caminho interessante de fazer seu capital trabalhar para você.

Com todo esse cenário em mente, vamos aos títulos de Renda Fixa que merecem a nossa atenção em 2018:

Tesouro Direto


Em 2018, o Tesouro Direto segue conquistando popularidade, sendo que em abril, o número de investidores cadastrados atingiu a marca superior a 2 milhões, um crescimento de quase 4% em relação ao mês anterior. Neste período, o total de investidores ativos para 600.541 pessoas.

Analisando de perto essa tendência, é fácil notar uma mudança nos hábitos de investimento da população. Em 2018, espera-se que esse movimento se amplifique ainda mais.

Vale lembrar

Para aqueles que não possuem grande capital disponível para investir, os papéis emitidos pelo Tesouro Direto continuam sendo alternativas interessantes. O investimento mínimo exigido é significativamente baixo e, mesmo assim, eles apresentam rentabilidades relevantes.

O que chama atenção é que títulos do Tesouro Direto também podem ser utilizados como Margem de Garantia para outros investimentos. Assim, você conseguirá impulsionar ainda mais seus investimentos em 2018.

O programa dispõe de diferentes títulos, cada um mais adequado a determinado cenário e perfil de investimento. Entenda as principais características de alguns destes títulos:

Tesouro Prefixado


No ano de 2017, os Títulos Prefixados do Tesouro Direto conquistaram um lugar de destaque entre os investimentos de Renda Fixa. Esses títulos foram responsáveis por alto ganho de capital - especialmente por causa das reduções consecutivas da taxa Selic.

No momento em que o Copom decidiu reduzir a taxa de juros, a rentabilidade dos títulos atrelados a ela também caiu, aumentando o interesse pelos papéis prefixados. Quando a demanda por eles aumenta, seu preço de mercado segue o mesmo movimento, o que proporciona valorização para os títulos que já estavam circulando.

Em 2018, o cenário é diferente. Como os juros já estão baixos e provavelmente se manterão, a compra desses títulos deixa de ser interessante.

Tesouro Selic


O Tesouro Selic, como seu nome já diz, acompanha a rentabilidade da taxa de juros básica na economia. Esse título, em 2016, apresentou rentabilidade bem atrativa, enquanto a Selic mantinha-se na casa dos 14% ao ano.

Em 2017, com os cortes da taxa, esses títulos acabaram perdendo atratividade. Entretanto, temos que ficar atentos com os próximos movimentos da taxa de juros.

A possibilidade de aumento da Selic para os próximos anos mudará as perspectivas para esse título. Dessa forma, o este papel é um investimento para ficar de olho assim que o COPOM retomar o crescimento dessa taxa.

Tesouro IPCA


Este título acompanha os movimentos do indicador conhecido como IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), isto é, ele segue a inflação da nossa economia.

Para 2018 os títulos voltam a ficar no nosso radar, pois já estão pagando prêmios próximos de 6% ao ano, com vencimento para 2035 e 2045. Já é uma opção interessante para garantir mais de 5% de taxa real durante todos esses anos, já descontando o IR.

Portanto, o título permanece como uma opção para aqueles investidores que tem como objetivo proteger e ter resultados no longo prazo. Investindo nesses papéis, é garantido que seu dinheiro não perderá poder de compra com o passar do tempo.

Quer saber ainda mais sobre esses títulos?

Baixe o Guia Completo do Investidor Iniciante



CDB - Certificado de Depósito Bancário


Em 2018, os Certificados de Depósito Bancário (CDB) continuarão como boas alternativas para a construção de carteiras de investimentos. Existem diversos papéis disponíveis no mercado, com diferentes rentabilidades, liquidez e preços.

Por mais que, na maioria das vezes, os CDBs estejam atrelados ao CDI e que essa taxa tenha reduzido em 2017 com os cortes da Selic, é possível que os retornos desse tipo de investimento continuem sendo considerados uma boa alternativa.

Acreditamos que vale a pena ficar de olho nos CDBs de instituições de menor porte, pois costumam oferecer condições melhores para atrair novos investidores. Esses bancos podem ofertar papéis com até 120% do CDI, por exemplo.

CDB | O CDB, veterano entre os melhores investimentos, reúne boa rentabilidade, segurança e praticidade.

Além da boa rentabilidade, o CDB atrai investidores por conta de sua segurança. Essa modalidade de investimento é completamente assegurada pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), órgão que garante investimentos de até R$ 250 mil por CPF e por instituição.

Dessa forma, a segurança, a rentabilidade e os prazos diversos que a modalidade oferece continuarão atraindo milhares de investidores em 2018.

Vale lembrar que, assim como o Tesouro Direto, o CDB também pode ser utilizado como Margem de Garantia. Dessa forma, o investidor poderá usar o capital alocado em um título para operar na Bolsa de Valores e no Mercado Futuro.

Seu capital, dessa forma, tem a possibilidade de render duplamente: em títulos de Renda Fixa e no Mercado de Ações.

Ebook Análise Técnica

Saiba como investir
nesses títulos em 2018

Baixe o Guia Completo
do Investidor Iniciante



LCI e LCA - Letras de Crédito


As Letras de Crédito, sejam as do setor Imobiliário (LCI) ou as do Agronegócio (LCA), têm o potencial de continuar atraindo investidores em 2018. Esses investimentos conquistam muitas pessoas, ano após ano, por uma de suas características principais: a isenção de Imposto de Renda.

Esses títulos têm a chance de ganhar certa relevância em 2018. Caso a recuperação econômica se sustente, os setores que os papéis estão atrelados crescerão e demandarão maior capital para se financiar, o que faz com que bancos consigam melhorar as condições dos títulos.

É fundamental ter atenção antes de investir em títulos como esses apenas pela isenção de IR. É preciso fazer comparações com vários títulos, já que em alguns casos outras opções podem pagar mais, mesmo deixando uma parte com a Receita Federal.

Letras de Câmbio


Os papéis emitidos por financeiras, mesmo que sem nenhum destaque entre os melhores investimentos de 2018, continuarão como alternativa interessante para diversificação de capital. Estratégias fundamentadas exclusivamente nesse tipo de papel são raras, mas por outro lado eles podem ajudar a compor diversas carteiras.

Por apresentarem resultados interessantes e serem protegidas pelo FGC, as LCs podem ser uma opção para aqueles que querem diversificar seus investimentos em Renda Fixa.

Debêntures


As debêntures são uma alternativa interessante de Renda Fixa para o investidor e que podem gerar bons ganhos no ano de 2018, além de ser uma maneira de diversificação, uma vez que empresas de vários segmentos podem emitir esse título.

São consideradas títulos de médio e longo prazo e um de seus maiores atrativos é o fato de oferecerem isenção de Imposto de Renda e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), no caso das chamadas debêntures incentivadas.

Quando as empresas emissoras pretendem realizar projetos de infraestrutura, como estradas, portos e aeroportos, elas se enquadram como debêntures incentivadas e podem oferecer esse benefício fiscal.

Vale lembrar que as debêntures não possuem a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) como outros produtos da Renda Fixa.

Na hora de investir em debêntures, é importante ter atenção para o risco de
crédito do emissor.

Uma boa dica é verificar o rating que a agência classificadora de risco atribuiu à emissão de debêntures de determinada empresa.

As debêntures devem ganhar destaque em 2018 pois, com a potencial recuperação da economia, as empresas tendem a acompanhar esse crescimento e vão buscar captar recursos com a emissão de debêntures para financiar seus projetos.

Capítulo 3

Investir no exterior

O que vai acontecer lá fora?

Como você já deve saber, é fundamental estar atento ao cenário exterior para se posicionar de forma consciente aqui no Brasil. Afinal, o que acontece lá fora tem um grande impacto para nossos investimentos.

As recentes tensões geopolíticas e comerciais, principalmente os discursos entre Pequim e Washington, ficam no radar dos investidores. As causas de uma possível "guerra tarifária" ainda não é de fácil mensuração, mas poderá impactar fortemente a balança comercial de vários países mundo afora.

Outro fator que impacta os rumos do mercado internacional, são os rendimentos dos “tesouros” de 10 anos nos EUA. Quanto maior a taxa deste título público norte-americano, mais atrativo fica investir em um ativo considerado o mais seguro no mundo. Com isso, diversos investidores internacionais acompanham os passos do FED, Banco Central dos EUA, que poderá elevar a taxa de juros mais do que fora previsto inicialmente.

ZSELIC, 1D | Os acordos de exportação e importação são fundamentais para a manutenção das contas de um país.

Entretanto, é válido lembrar que se a economia de nações como EUA e China se desenvolver, países como o Brasil se beneficiam pelo aumento de exportação e pelo crescimento do fluxo de capital estrangeiro.

A China, por exemplo, é responsável por 30% das exportações brasileiras. O país oriental deve continuar demandando commodities, principalmente o minério de ferro, uma vez que seus setores de infraestrutura, construção civil e industriais estão a todo vapor.

Atenção: Esse cenário de crescimento da China beneficia fortemente a Vale (VALE3), já que grande parte da exportação da empresa é direcionada para o continente asiático

Porém, o equilíbrio entre a oferta e a demanda precisa ser saudável para que o preço se mantenha em patamares atrativos para a empresa. Por isso, não deixe de observar de perto essas ações em 2018.

É hora de comprar ações da Vale?

Descubra com as recomendações de nossos analistas

Em relação às outras grandes economias, as tensões políticas externas também devem continuar no radar dos mercados financeiros. Os líderes dos EUA e da Coreia do Norte seguem fazendo discursos acalorados de ambos os lados.

Apesar das sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU), o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, insistiu por muito tempo na corrida armamentista com testes de foguetes de longa distância, o que causou instabilidade no clima entre as potências mundiais.

Em junho de 2018, entretanto, em um encontro histórico entre Jong-Un e Trump que aconteceu em Singapura, o líder norte-coreano concordou com o desmonte de seu programa nuclear. Vale acompanhar o desenrolar desse novo tratado.

Qualquer ato impensado, de ambos os lados, poderia provocar danos irreparáveis na ordem mundial, gerando efeitos de pânico para os mercados financeiros mundo afora.

Os recentes dados do mercado de trabalho norte-americano apontam um vigoroso ritmo de crescimento da atividade econômica. A taxa de desemprego atingiu o valor de 3,8%, menor nível em 18 anos. Além do mais, o presidente Donald Trump tem como meta a expansão de 3% do PIB estadunidense.

Como ganhar dinheiro investindo no exterior?

Em 2017, a Bolsa norte-americana bateu recordes e mostrou ao investidor sua tendência de alta para o longo prazo. O S&P 500, que é o principal índice do mercado de capitais dos EUA, tem marcado topos históricos e sinalizou que esse movimento deve perdurar.

Percebemos também o retorno da correlação do nosso mercado com os índices norte-americanos. Isso significa uma maior chance de aparecer boas oportunidades de operações nesse mercado, proporcionando uma diversificação maior para o investidor.

Atualmente, operar no mercado americano é extremamente simples. Através da sua corretora é possível participar dessa economia.

| Em 2017, o S&P 500 trouxe bons resultados a seus investidores. Mas qual será a tendência para 2018?

Saiba a hora de investir no S&P

Fique de olho nas recomendações de nossos analistas

Capítulo 4

Investir no Dólar

Dólar: o melhor investimento em 2018?

Muitas pessoas ainda perguntam sobre o investimento na moeda dos EUA. Em 2018, há chances de surgirem boas oportunidades envolvendo o dólar e outros índices norte-americanos.

O dólar está sendo negociado bem próximo de sua máxima histórica. Além de fatores internos, a moeda é impulsionada pela aceleração na taxa de crescimento americano ao mesmo tempo que o desemprego no país cai abaixo de 4% pela primeira vez em 18 anos. Esses fatores impactam diretamente os chamados treasuries e aumentam a expectativa de novas elevações da taxa de juros americana.

A elevação dessa taxa, por sua vez, no curto prazo, gera um fluxo de saída de capital estrangeiro do nosso país. Esse movimento ocasiona uma pressão compradora no dólar e, consequentemente, a sua valorização.

Investir em contratos futuros de dólar?

Não perca as recomendações de nossos analistas

Capítulo 5

Investir em Bitcoin

Nos últimos meses, os investimentos em Bitcoin e outras criptomoedas ganharam grande destaque em todos as mídias devido à grande volatilidade dessa modalidade de aplicação.

Como consequência, o número de investidores em Bitcoins no Brasil ultrapassou o total de pessoas físicas cadastradas na Bolsa de Valores brasileira somados ao total de investidores ativos no Tesouro Direto.

Não é possível ignorar que os investimentos em criptomoedas apresentaram resultados consideráveis em 2017. Entre as principais valorizações do ano passado, estão:

  • Bitcoin, com crescimento de 1.300%

  • Ripple, com alta de 36.018%

  • Ethereum, que subiu 9.162%

Os lançamentos de moedas no mercado, também chamados pela sigla ICO (Initial Coin Offering), levantaram mais de US$3,7 bilhões, sendo que a maior parte dos projetos foram lançados nos últimos meses de 2017.

Apesar disso, os investimentos em moedas virtuais são considerados de alto risco, em vista da ausência de regulamentação e os movimentos especulativos por trás das fortes oscilações. Isso porque a grande volatilidade permite ganhos expressivos, mas também perdas significativas.

Além desses fatores, vale a pena considerar as recomendações dos órgãos oficiais brasileiros para o mercado de criptomoedas.

  • O Banco Central do Brasil declarou que a subida expressiva do Bitcoin pode indicar que o investimento se trata de uma bolha. Ou seja, a qualquer momento a moeda estaria fadada a cair de forma expressiva, quando os investidores começassem a atribuir um menor valor a esses investimentos.

  • O Conselho Monetário Nacional (CMN) também se pronunciou sobre o assunto e afirmou que as moedas não são classificadas como ativos financeiros e, portanto, investimento direto de fundos nesse tipo de ativo não é permitido.

Para os investidores que têm intenção de entrar nesse mercado, é muito importante entender essa modalidade de investimento e não ignorar os fatores de risco por trás das grandes valorizações.

Ebook Bitcoins

Descubra 21 fatos
sobre Bitcoins

Veja o que não te contam
sobre essa moeda

Capítulo 6

Atente-se em 2018

O que pode mudar os melhores investimentos de 2018?

Se você deseja adquirir, ou manter em sua carteira de investimento, alguns dos títulos ou ativos que foram citados neste material, é preciso entender alguns pontos sobre diferentes cenários que você poderá se deparar em 2018.

1. Política Brasileira

A política vai continuar influenciando o ritmo de negócios na Bolsa de Valores brasileira. A possibilidade de aprovação de reformas colocadas em pauta poderá controlar as contas públicas e, conforme forem evoluindo, poderão gerar otimismo no mercado financeiro.

Não podemos esquecer que 2018 será ano de eleições e muitas surpresas nos aguardam. A polarização entre candidatos de diversos perfis diferentes coloca o mercado em tom de cautela, uma vez que candidatos mais centristas, com foco em reformas, não apresentam bons desempenhos em pesquisas.

Dependendo do perfil do candidato, o mercado financeiro reagirá com maior volatilidade, impactando diretamente tanto o dólar quanto a Bolsa de Valores.

2. Manutenção da Taxa Selic

A trajetória de queda dos juros parece ter chegado ao fim. Segundo a ata da reunião de maio deste ano do COPOM, o Banco Central esclareceu que a recente alta do dólar foi um fator decisivo para a manutenção da taxa na casa dos 6,50%.

3. Fraco crescimento econômico

O mercado financeiro vem constantemente revisando para baixo o crescimento da economia para este ano. O conjunto de indicadores do primeiro trimestre de 2018 vieram abaixo da expectativa inicial projetada e foi um dos motivos para as reavaliações.

A corrida eleitoral incerta é um fator que limita a expansão do PIB, uma vez que investidores e empresários esperam por consolidações para se posicionarem. Já a paralisação dos caminhoneiros é considerada um choque de curto prazo, ela também trará impactos para a tímida recuperação financeira.

Fique à frente do melhor de 2018

Tenha as ferramentas certas ao seu alcance

Nesse momento, as estratégias que trarão altos rendimentos pelos próximos meses já devem estar sendo traçadas. Os melhores investimentos de 2018 já estão disponíveis: não perca as grandes oportunidades deste ano.

Os Melhores Investimentos de 2018 são:

  • Ações de super e hipermercados

  • Ações do setor siderúrgico

  • Ações de empresas ligadas a celulose

  • Fundos de Investimento Imobiliário

  • CDB de instituições menores

  • LCI e LCA

Não perca o melhor de 2018

Fique de olho em nossas recomendações

Rafael Panonko
Autor

Rafael Panonko

Rafael Panonko atua no mercado de ações há 9 anos e é membro da equipe do Toro Radar, onde atua como Analista. Estudou Gestão Financeira e se tornou Analista CNPI-T registrado na APIMEC. Possui muita experiência em mesa de operações, trade de dólar, índices, mercados agrícolas e derivativos, além disso foi Oficial do Exército Brasileiro durante 8 anos.